As vantagens da compostagem

A decomposição aeróbia controlada de substratos orgânicos em condições que permitem atingir temperaturas suficientemente elevadas para o crescimento de microrganismos termofílicos. O aumento de temperatura surge como resultado da libertação de calor na degradação microbiológica dos substratos. O resultado deste processo é um produto, a que se dá o nome de composto, suficientemente estabilizado para ser aplicado no solo com vantagens relativamente a fertilizantes.

A compostagem é um processo ecológico, simples e fácil que contribui para diminuir a carga que o excesso de resíduos sólidos exerce sobre o ambiente. A Compostagem é uma forma de eliminar metade do problema dos resíduos sólidos urbanos, dando um destino útil aos resíduos orgânicos, evitando a sua acumulação em aterro e melhora a estrutura do solo, devolvendo à terra os nutrientes de que necessita, aumentando a sua capacidade de retenção de água, permitindo o controlo da erosão e evitando o uso de fertilizantes sintéticos.

Este processo permite tratar os resíduos orgânicos domésticos (restos de comida e resíduos de jardim) bem como os resíduos provenientes da limpeza de jardins e parques públicos. Por um lado ajuda a reduzir a quantidade de resíduos a depositar e, por outro, elimina e neutraliza certas contaminações dos restantes resíduos provocadas pelos resíduos orgânicos.

Vantagens

A Compostagem apresenta também grandes vantagens para as plantas já que o uso do composto diminui a ocorrência de determinadas pragas nas plantas e, ao melhorar as características do solo, o composto contribui para a vitalidade das mesmas. Além disso, possui as demais vantagens:

  • Eliminação de agentes patogênicos (bactérias, vírus, parasitas) presentes na matéria orgânica;
  • Transformação de materiais instáveis e poluentes em materiais mais estáveis e com menor impacto ambiental sobre o ar, águas e solos;
  • Redução do volume, massa e teor de umidade dos resíduos: a compostagem permite reduzir até três terços do volume inicial de resíduos orgânicos, diminuindo os custos associados com a recolha de resíduos;
  • Reciclagem e valorização da fração biodegradável dos resíduos domésticos, reduzindo a sua carga poluente e o espaço disponível para a deposição em aterro; Reciclagem de nutrientes contidos nos resíduos orgânicos, necessários para o solo;
  • Produção de um aditivo orgânico e fertilizante natural, sem produtos tóxicos, para solos agrícolas, melhorando a sua fertilidade e produtividade;

Quando aplicado no solo, o composto reduz a necessidade de herbicidas e pesticidas químicos, aumenta a resistência das plantas a doenças e pragas, melhora a capacidade de retenção de água e de nutrientes, reduz a erosão e a carga poluente da agricultura intensiva.

Fonte: Gestão Ambientall